Mais da metade dos médicos paulistas (54,1%) disse “estar em plena capacidade de trabalho”, e quase um terço deles (31,2%) afirmou estar “sobrecarregado”. Os outros 14,7% disseram poder “aumentar a carga de trabalho”. Os que se sentem sobrecarregados são em número semelhante no interior e na capital. Mas os que atuam na capital estão mais dispostos a trabalhar mais: 17,9% deles contra 11,4% dos colegas do interior afirmaram que poderiam aumentar sua carga de trabalho.

Percepção geral do médico quanto a sua carga de trabalho, divididos em capital e interior, com valores absolutos e relativos (percentuais), acompanhados dos respectivos Intervalos de Confiança de 95%.

 Capital NCapital %Interior NInterior %Total NTotal %
Total341100%341100%682100%
Está sobrecarregado de trabalho10831,7% (27% - 37,2%)10530,8% (25,8% - 35,5%)21331,2% (27,9% - 34,9%)
Está em plena capacidade17250,4% (44,9% - 55,7%)19757,8% (52,5% - 63%)36954,1% (50% - 57,9%)
Poderia aumentar sua carga de trabalho6117,9% (13,5% - 22%)3911,4% (7,9% - 15%)10014,7% (12% - 17,3%)